Google+ Followers

domingo, 31 de outubro de 2010

9ª Sessão de apresentaçao do livro "Vozes do Pensamento"23/10/2010, Livraria Bertrand, Centro Comercial Braga Parque, Braga. Mais uma festa da Poesia e da Música.

domingo, 17 de outubro de 2010

sábado, 9 de outubro de 2010

Comentário de uma ex-aluna, Teresa Castelhano, a quem agradeço muito emocionada
 
Boa tarde!Hoje, navegando por este mundo virtual, encontrei um nome que me soou familiar: "Isabel Rosete". E não me enganei!"Mergulhei" por este site, e mais outros tantos que falam de si, e vieram às minhas lembranças as aulas de Filosofia dos 10º e 11º anos, em 1992-1994, na Escola Secund. Jaime de Magalhães Lima. Dessas aulas ainda falo hoje, agora aos meus próprios alunos. Já a admirava naquela altura, pela professora, pela pessoa, pelo carisma que transparecia e pelo estilo inconfundível. Hoje fico, sem dúvida, até vaidosa por ter sido sua aluna. Espero que esteja tudo bem consigo e, se o aceitar, deixo-lhe um abraço até saudoso pelos tempos que me fez recordar. Um beijinho. Teresa Castelhano

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Aos meus futuros leitores:


Vozes do Pensamento é a primeira obra individual que dou a conhecer em Portugal. Porém, a primeira de um projecto de quatro que lhe sucedem, a publicar em 2011.

Exterioriza, como o próprio título indica, as Vozes que há muito ecoavam no meu Pensamento, viajante por todos os lugares, reais e imaginários, vívidos ou sonhados, nessa eterna busca pela Verdade e pela Sabedoria, pela aura das essências que, amiúde, se nos ocultam. Talvez esteja a fazer Filosofia através da Poesia, como sugerem alguns dos meus leitores habituais.

Trata-se de um desabafo da minha Alma e do meu Corpo sobre mim mesma e sobre o Mundo, tal como ele se me apresenta em todas as suas dimensões, sem Discriminação, sem Hipocrisia, sem Intolerância, o qual corresponde, não tenho dúvida, a muitos outros desabafos da generalidade das Almas de tantos outros seres humanos, meus pares.

É um livro intimista, onde os ignóbeis actos dos homens são condenados dos pontos de vista ético, social e político, e os seus nobres feitos celebrados na Transparência da sua autêntica Realidade.

Isabel Rosete
Outubro de 2010